Poesias

Eu gosto de poesias, inclusive já fiz algumas. Gosto de brincar com as palavras, juntá-las de maneiras diversas e recolher os arranjos mais bonitos. Nesta página eu separei algumas das poesias que escrevi. A maior parte delas tem já bastante tempo. Outras são bem recentes. Novas poesias estão surgindo o tempo todo, pois a inspiração está presente em cada momento da vida. Eu adoraria que me escrevessem, trocando experiências de vida, de tudo! geraldo@geraldomidipage.com.br

A música que escutas agora se chama A Paz que Eu Quero. Esta foi, de fato, uma das minhas primeiras composições. Eu gostei tanto que lhe dei uma letra, a qual podes ver nesta página.

Escolha um dos poemas abaixo, clicando sobre o seu link:

A Caridade
A Deusa de meus Sonhos
A Paz que Eu Quero
Enxuga tuas lágrimas
Eu sou Poeta
Em Busca de Glória
Falando de Minha Pátria
Hino à Paz
Loucos
Não Me Importo
O Julgamento
O Meu Momento
Prometo a mim mesmo
O Perdão
Serve-te!
Trinta Maneiras de Ser Livre
Um Rio que Morre
Uma Canção para Stela
Uma Canção para Socorro




Em Busca de Glória

Geraldo Magela Pereira

Ópera
A melodia dessa música foi tirada da Ópera
Nabucco de Giuseppe Verdi. Para escutar a música, veja o mp3 que eu fiz!

Povo heróico em busca de glória,
Passos firmes anseiam chegar,
O destino final, ninguém sabe,
Mas quem tem um caminho por ele
vai se guiar.


Muito além, brilha uma luz que trás alento,
Galardões da vitória dispontam distantes
Busca, povo! Vá firme marchando!
Vencedores são todos aqueles que vão
avante!,


Povo heróico, que segue buscando
o seu porvir!
Segue sempre ordenado e feliz.
Povo heróico que segue em nau
de esperança!
Tu já sabes por onde seguir!


Onde quer que tu fores,
Meu povo!
Onde quer que o destino levar,
Passos firmes! Pois não há vitória,
Sem heróis, sem a força que Deus
pode dar!

Ir para a lista de poemas

 




Não me Importo

Não me importo que trilhem caminhos
que já sentiram meus passos...
Neles já vi o que outros vão ver;
Neles senti, coisas que outros vão sentir...
Quer pela direita, ou pela esquerda desses meandros,
Vi coisas boas - aprendi!
Vi também coisas ruins - e também aprendi!
As surpresas reservadas agora a outros
Não me surpreendem mais...
Se transpús, incólume, esses caminhos,
Ou se, espinhos e pedras tolheram-me os passos,
Tive sorte, ou sábio fui!
Palmilhando estas veredas,
Outros se revestirão de orgulho...
Mas, eu já conheci estas sendas:
Por elas andei, fiz-lhes sulcos, muitos deles!
A cada passo encontrei um modo de chegar,
na humildade, ao final da jornada!
Nenhum caminho na Terra existe,
Que ainda não tenha sido palmilhado.
Não fui o primeiro a fazê-lo,
Fui mais um!
Não me importo se percorrem caminhos,
por onde já passei...
Não me importo!

Ir para a lista de poemas




Serve-te!

Serve-te em prato de ouro!
No centro dele, coloca teu coração...
Enfeita-o com tuas palavras doces, e
adorna-o com teu sorriso!
Tempera-te de ternura, amor e graça...
O colorido de teu prato deve ser de
carinho, amizade,e muita paz!
Oferta-te num prato de ouro!
Permite que toquem em ti,
Que provem de ti:
Os amantes da paz,
Os apreciadores da luz,
Os que anseiam pelo amor,
Os que carecem de amizade, alegria, vida...
Serve-te a teus amigos num prato de ouro!
Os banqueteadores são eles,
O prato és tu...
Sê o alimento do bem...
Feliz daquele que se serve,
Num prato de ouro!

Ir para a lista de poemas




Eu sou Poeta

Sou poeta e tu és a lira;
Sou a folhagem e tu és o rouxinol;
Sou a campina que o céu fecunda
E tu, e tu, e tu és o sol.

Sou a tristeza e tu és o sorriso;
Sou a fonte e tu és o manancial;
Sou a cabeça que só pensa e chora,
E tu, e tu, és o ideal.

Sou a terra e tu és o céu;
Sou o nevoeiro e tu és o clarão;
Sou a culpa que a graça implora;
E tu, e tu, és a redenção.

Ir para a lista de poemas




Uma Canção Para Socorro

Ó Socorro, quem me dera, ainda,
Ver teu sorriso,teu olhar, teu véu...
Junto dos anjos, tu és a mais linda,
És a grinalda que enfeita o céu...

Se a saudade, afastar pudesse,
Se teu abraço eu sentisse agora,
A tua voz, que ainda me aquece,
É a saudade que minhalma chora!

Por tantas vezes eu sofri,chorando,
Porque partiste, me deixando aqui...
Sinto alegria,quando estou cantando,
Amar a todos, contigo aprendi!

Nas coisas belas, vejo o teu olhar,
És sempre viva, és a luz, a flor,
Estas dormindo,deixo-te sonhar,
Sempre serás o nosso eterno amor!

Ir para a lista de poemas




A Caridade

Os que sofrem não te comovem
porque vives na vaidade?
Para Deus tua prece é pouco,
se faltares a caridade!

Vais à igreja, em meia a todos,
prá que vejam, em ti, bondade?
Perdes tempo perante Deus,
se faltares a caridade!

Se Jesus te chamar agora,
mostra a ele a tua verdade!
Nada tens prá levar ao alto,
se faltares a caridade!

Ir para a lista de poemas




Prometo a mim mesmo

Prometo a mim mesmo:
Pensar as palavras;
Pensar os meus atos;
Lutar contra mim!

Prometo que a luta,
vai ter vencedor:
O "eu" complicado,
perdendo pro amor!

Prometo na luta,
usar estas armas:
coragem, bom-senso,
vontade, saber;

Perdão, caridade,
Otimismo e fé!
Sorriso, ternura,
afago e alegria.

Após a vitória,
cobrarei meus preços:
Minhalma tranquila,
e a paz que eu mereço!

Ir para a lista de poemas




Hino à Paz

Só a paz,
Salva a Terra!
Só a paz,
Une os povos!
Só a paz,
Traz o bem!
Só a paz,
Salva este Planeta!

Não! à guerra!
Não! à dor!
Não! à morte!
Haja amor!

Nós somos irmãos,
Somos a vida!
Vem! Me abraça!
Vamos viver!

Venham, Nações!
Vamos pensar,
Que vale a pena,
Viver e amar!

Tanto ódio,
Entre Irmãos
Tanta sede,
de Poder!
Tantas vidas,
Que se perdem,
Na falsa ânsia,
De vencer!

Só a paz!
Só a paz!
Só a justiça,
Traz a união!
Só a esperança,
Vence o mal!

Paz!
Paz!
Paz!

Ir para a lista de poemas




A Deusa dos meus Sonhos

Ah! Minha sílfide...
Por que insistes em povoar os meus devaneios?
Chegas de mansinho
e te aninhas em meu coração...
Se te tenho só em sonhos,
por que me deixas despertar?

Deixa-me morrer de amor
em teu colo,
Embalado pelo teu perfume
de fada encantadora...
Por que não vens quando te almejo,
mas se acerca, sem avisar-me, e
por que partes sem que
reter-te eu possa?

Ah? De Orfeu aliada és,
por certo!
Ele faz-me ressonar para que venhas,
do jeito que somente tu sabes...

Deixas minhalma adocicada de
flamejante amor, e partes!
Quando voltas?
Soubera eu, e não partirias
sem mim...

Deixarei sempre os portais dourados dos meus sonhos
abertos para ti!
Um mistério nos separa;
Um destino nos une...
Nos rocôndidos insondáveis
do inconsciente,
eu te compreendo, meu amor!

Ir para a lista de poemas




O Meu Momento

Por mais sábio que um dia eu possa ser,
ocuparei apenas um espaço entre dois tempos!
Antes de mim,
outros fizeram o que eu faço hoje.
Diferente, mas fizeram!
Depois de mim,
outros farão o que faço,
melhor que eu!
Pensarão, quiçá, mais alto,
serão, por certo, melhores.
Que eu seja bom no que faço hoje,
agora.
É a minha oportunidade de servir!
Quando não mais estiver aqui,
não serei nenhuma lenda viva!
Terei sido mais um,
a quem a vida reservou um espaço!
Entre dois tempos!
O mundo seguirá inabalável,
pelas estradas das eras...
Pelo caminho vai ficando gente como eu,
que tem à disposição um espaço.
Que a humildade me faça sábio,
e que esta minha passagem
deixe alguma marca:
A minha marca!
As folhas voarão ao sabor do vento,
mas, a semente..
Esta deve germinar!
Que germine em solo firme
a semente de minha vida...
É o meu momento!

Ir para a lista de poemas




O Julgamento

Não julgueis, pois,
o que disserem de vosso irmão
pode ser falso...
Não apliqueis vosso padrão de verdade,
sobre aqueles que vos cercam.
O que é a verdade?
Observai vosso irmão!
Vede:
Misteriosos são os vislumbres de seu ego!
Julgais, às vezes,
pela vossa verdade!
Sabei que ela é um critério somente vosso.
Deixai o julgamento à natureza.
A vida nos julga; é a Lei!
Não façais pesar mais o fardo de culpa
de ninguém.
Sejam sábias as vossas palavras
e retas as vossas ações.

Ir para a lista de poemas




Os Loucos

Lázaro Barreto em Paráfrase de Roberto Fernandez Retamar

Só os normais, estranhos seres, são felizes.
Não sofrem mãe louca, pai bêbado, filho delinqüente.
Não amargaram a casa dos outros
Nem choraram uma doença desconhecida.

Eles, fartos de roupas e de sapatos,
Viveram os dezessete rostos da aletria.
Atravessaram crises e epidemias incólumes.
Eles que nasceram com a bunda para a lua.

Eles, os normais, são amados até o punho.
Homens vestidos de trovão e mulheres de relâmpagos.
Altos funcionários, se querem um emprego.
Galantes pleibóis, se não querem.
Eles são felizes como as aves, o estrume, as pedras.

Mas que dêem passagem aos que fazem os mundos,
as sinfonias, os sonhos, as palavras.
Que destroem e constroem, a esses, mais loucos
do que as mães, mais bêbados do que os pais,
mais delinqüentes do que os filhos e muito mais...
Devorados por amores calcinantes.
Que a esses deixem ao menos o lugar no inferno.
E basta.

Ir para a lista de poemas




A Paz que Eu Quero

Paz
é o que eu quero comigo.
Felicidade
para o meu coração.
Quero viver
como vivem os lírios.
Elevo a Deus,
esta minha canção.

Quero
só sentir harmonia,
transmitir alegria,
só bondade ofertar.

Quero
que meu tempo na Terra
seja dado em virtudes.
Quero a todos amar.

Eu quero
que a dor não exista,
que a vida floresça
vendo o amor triunfar.

Quero
ver feliz a criança,
ver a luz da esperança
neste mundo brilhar.

Ir para a lista de poemas

 




O Perdão

Tu te proteges sob as asas do perdão,
porque tal gesto amenisa, se sofreres!
De alma leve, partes para, novamente,
Errar, magoar, e depois, te arrependeres!

Se os teus lábios, qual aragem matutina,
Fossem obreiros, combatendo o mal, a dor...
Todos teus sonhos, povoados de ternura,
Seriam ecos dos teus gestos de amor!

- Eu desejo te pedir perdão, por tudo!
Este recurso, embutiste em tua mente...
E o teu fardo de desculpas, por errares,
Pode abater-te, pois já pesa, imensamente...

Porém, se antes de ofenderes, meditasses,
Não o farias, mas, terias compaixão...
Não é sublime errar sempre e escusar-se
Sublime é não precisar pedir perdão!

Ir para a lista de poemas

 




Enxuga tuas lágrimas

 

Ildeu Gomes

 

Enxuga tuas lágrimas pois, além, muito além mesmo, da montanha azul, eu caminho agora com um sorriso franco nos lábios.
Enxuga tuas lágrimas pois, caminho na quietude das matas ouvindo o cantar de todos os pássaros.
Enxuga tuas lágrimas pois, caminho agora entre todas as flores de um imenso jardim.
Enxuga tuas lágrimas pois, caminho entre as estrelas e tenho toda a paz e serenidade do universo.
Enxuga tuas lágrimas pois, agora vou ao regato de água fresca cristalina beber da água da vida.
Enxuga tuas lágrimas pois, a vida passa célebre e breve estaremos juntos outra vez.
Enxuga tuas lágrimas pois, tenho todo tempo, toda uma eternidade que guardo para você.
Enxuga tuas lágrimas e não chores por mim, pois não caminho só, estou com meu irmão, estou com Jesus.
Ir para a lista de poemas




Um Rio que Morre

Piracicaba! Quem te fez Tão Negro?
Sinto-te acre, betumoso, impuro!
És mais um corpo d'onde a vida exala,
Não sei se ao homem, ou a ti, sensuro!

Já nem Selene te prateia, etérea,
teme o contágio de tua tristeza!
Mataste a fauna, repelindo a vida,
Chantagem torpe contra a natureza!

Não vejo o viço que te ornava as margens,
nem murmurarem ondas transparentes...
Já não deparo, em teu leito torvo,
brancos cristais, de prismas sorridentes!

Talvez me olhas, bravo, foribundo,
igual ao triste, remoendo as mágoas...
Tu não entendes o pensar daquele
que por insânia, poluíu-te as águas!

Que armas tens para lutar por ti?
Por certo nada, se és todo paz!
Não conhecias a maldade humana,
mas, o remorso, vem o tempo e traz!

Piracicaba! Oh, Piracicaba!
És desta terra, guardião da História!
De ver o índio, o ouro, o bandeirante,
não há quem possa usurpar-te a glória!

O homem quiz, e já te fez escravo...
No teu silêncio tentas compreender!
Atira ao mar toda essa carga infame,
Agita as ondas, prá depois morrer!

Ir para a lista de poemas

Este poema não fui eu que fiz. Ele é baseado no filme "Sociedade dos poetas mortos" - um raro caso de unânimidade cinematográfica.



Trinta Maneiras de Ser Livre

  • Ler poesia, muita poesia
  • Compor poesia a cada momento da vida
  • Fugir no meio da neblina para uma grande aventura
  • Viver poeticamente
  • Ensinar aquilo que não vem nos livros
  • Sentir prazer em aprender o que não está nos livros
  • Ser adolescente
  • Subir nas mesas e nas cadeiras
  • Desobedecer ordens injustas
  • Soltar urros barbáricos sobre os telhados - whitmanianos, se possível
  • Levar um ramo de flores para a namorada
  • Mesmo corando, ler um poema de amor à namorada
  • Jogar fora o presente que te desagrada.
  • Enfrentar o perigo. Pode ser descendo de bicicleta, a toda velocidade, uma ladeira íngreme
  • Não acreditar no que dizem
  • Não acreditar na morte
  • Enxergar o mundo de novos ângulos
  • Se pressionado, resistir
  • Se obrigado a fazer o que não deveria, não ter medo de assumir que errou
  • Fundar um clube proibido - pode chamar-se Sociedade dos Poetas Mortos
  • Vencer a timidez e enfrentar o mundo com o peito aberto
  • Fazer teatro
  • Tornar os sonhos realidade
  • Chorar pelo amigo morto
  • Pintar sobre a pele um símbolo indígena
  • Passear pela noite com a namorada
  • Construir o que quiser
  • Dançar rock
  • Achar o lado divertido de tudo
  • Aproveitar o dia
    Ir para a lista de poemas




    Uma Canção para Stela


    Quando tu vieste,
    os anjos cantaram!
    Com vozes celestes,
    a ti entoaram:

    Stela-estrela!
    Estrela-princesa!
    Princesa-Rainha!
    Coração de amor!

    Stela-pureza!
    A flor pequenina!
    Olhar que encanta!
    Amor de menina!

    De todos do bem,
    terás só carinho!
    De flores e luzes,
    será teu caminho!

    Feliz, quem te guarde!
    Quem zele por ti!
    Felizes os anjos!
    E eu, que te vi!

    Ir para a lista de poemas

     




    Falando de Minha Pátria

    Ah, minha Pátria!
    Quisera eu ser poeta, para exprimir em versos
    toda a apoteose de encantamentos que seu seio encerra!
    Gostaria de aprisionar em meus braços este céu etéreo
    que lhe cobre o dorso, como se fora um prodigioso manto
    azul, bordejado de estrelas!
    Meu coração se estremece, à margem da noite,
    quando estas pradarias se envaidecem, impregnadas de luar!
    Depois... surge mais um dia em sua vida:
    um dia que se ergue do horizonte continental,
    e eu vejo você, minha Pátria:
    voando para as oficinas,
    correndo para as escolas,
    movimentando as fábricas,
    laboriosa no campo,
    abrindo os mercados...
    Você está sempre confiante, Brasil!
    Você sabe o que faz! Você é forte, minha Pátria!
    Você emergiu da América, tal qual um vulcão, que ao despedaçar
    o cume do monte, espalha suas lavas ardentes pelas encostas;
    só que, no seu caso, minha Pátria, são lavas de progresso,
    para o nosso povo; ardentes de altruismo, de união, de força!
    Brasil, você parte para o futuro; um futuro que lhe firmará
    como Nação Indepentente; sua força não se quedará
    ante a saga do inimigo, oculto através das fronteiras.
    Sei bem, meu Brasil, que você deseja o melhor para mim,
    mas, há presente mais marcante, que esta liberdade que
    desfruto?
    Você deixou-me o céu aberto para o pensamento;
    a terra generosa para o trabalho;
    meus irmãos de raça; minha língua natal;
    eu posso ter a minha fé cristá...
    "Onde encontrarei outra Natureza mais bela que esta?
    Quem me mostrará pássaros mais belos que os que cantam em
    suas matas??
    Então, minha Pátria: é preciso que eu seja digno de você!
    Que meus braços se somem aos milhões de outros braços
    para elevarmos, bem alto, o seu pendão sagrado;
    Que brados de glória retumbem de nossas bocas para enaltecer
    seu nome, Brasil!
    Hoje estamos com você. Ontem também estivemos.
    Amanhã, faremos de seu nome, baluarte para nossas mais
    sublimes aspirações e, se necessário, em sua defesa morrer,
    pensando em liberdade e sob a magia heróica de seu
    Hino Nacional.

    Ir para a lista de poemas